Destaque

Cientistas descobrem nova arma contra a malária resistente a medicamentos

Fonte

Universidade de Melbourne

Data

terça-feira. 7 junho 2022 07:30

Um novo método para combater a malária, que promete que a doença se volte contra si mesma, pode ser um tratamento eficaz para as centenas de milhões de pessoas infectadas em todo o mundo a cada ano, à medida que a eficácia dos medicamentos antimaláricos atuais enfraquece.

A pesquisa, liderada pela Universidade de Melbourne, na Austrália, e publicada na revista Science, identificou um composto antimalárico -o ML901 – que inibe o parasita da malária, mas não prejudica as células de humanos ou outros mamíferos.

A Dra. Leann Tilley, coautora principal e professora do Instituto Bio21 da Universidade, disse que o composto ML901 efetivamente tornou o parasita o agente de sua própria morte, sustentando sua potência e seletividade.

“O ML901 funciona por um mecanismo incomum de ‘sequestro de reação’. O ML901 encontra uma brecha particular na maquinaria que o parasita da malária usa para gerar as proteínas necessárias para se reproduzir e o impede de fazê-lo. Embora haja muito trabalho a ser feito para ajustar o que descobrimos, esses resultados são realmente encorajadores na busca por novos antimaláricos”, explicou a professora Tilley.

Em colaboração com a Takeda Pharmaceuticals, com a Medicines for Malaria – a principal organização internacional para o desenvolvimento de medicamentos antimaláricos – e laboratórios de pesquisa em cinco continentes, foram realizados testes usando moléculas fornecidas pela Takeda, durante as quais o composto ML901 foi identificado.

Uma vez que o ML901 entrou no parasita, ele se ligou a um aminoácido e atacou a maquinaria de síntese de proteínas por dentro, rapidamente parando o parasita. A estrutura molecular das células humanas indica que elas não são suscetíveis ao ataque do ML901.

Em testes usando culturas de sangue humano e um modelo animal de malária, a equipe descobriu que o ML901 matou parasitas da malária que tinham resistência aos medicamentos atualmente usados ​​e mostraram ação rápida e prolongada, resultando na morte dos parasitas.

A professora Tilley disse que o composto mostrou que é ativo em todos os estágios do ciclo de vida, o que significa que pode ser usado para prevenir infecções por malária, bem como para tratar a doença. “[O composto] também mostra potencial para impedir que pessoas infectadas transmitam a doença a outras, o que é fundamental para impedir a propagação da malária”.

Todos os anos, pelo menos 200 milhões de novas infecções por malária são diagnosticadas em todo o mundo, causando mais de 600.000 mortes na África e no Sudeste Asiático. Nos últimos 50 anos, os níveis cada vez maiores de resistência aos antimaláricos levaram a uma crise iminente, com a necessidade iminente de medicamentos inovadores.

A Dra. Leann Tilley disse que, com base nessas descobertas, a equipe estava pronta para buscar o desenvolvimento de novos candidatos a medicamentos antimaláricos: “Acreditamos que este é apenas o começo. Agora temos a possibilidade de encontrar medicamentos, semelhantes ao ML901, que visem uma série de doenças infecciosas mortais, incluindo infecções bacterianas resistentes a vários medicamentos. O trabalho abre vários caminhos para a descoberta de novos medicamentos”, concluiu a pesquisadora.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Melbourne (em inglês).

Fonte: Stephanie Juleff, Universidade de Melbourne.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2024 farma t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional nas áreas de Ciências Biológicas, Biomédicas e Farmacêuticas, Saúde e Tecnologias 

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account