Notícia

Adesivo com microagulhas entrega antibióticos localmente na pele

As microagulhas são tão pequenas que não alcançam os receptores de dor, tornando o tratamento relativamente indolor

Jill Ziesmer, Instituto Karolinska

Fonte

Instituto Karolinska

Data

terça-feira, 11 maio 2021 06:55

Áreas

Dermatologia. Entrega de Medicamentos. Farmacologia.

As infecções cutâneas por MRSA (Staphylococcus aureus resistente à meticilina) costumam ser tratadas com injeção intravenosa de antibióticos, que podem causar efeitos colaterais significativos e promover o desenvolvimento de cepas bacterianas resistentes. Para resolver esses problemas, pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia, estão desenvolvendo um adesivo com microagulhas que fornece antibióticos diretamente na área afetada da pele. Novos resultados publicados na revista científica Advanced Materials Technologies mostram que o adesivo de microagulhas reduz com eficácia a bactéria MRSA na pele.

As infecções cutâneas por MRSA  são potencialmente letais, especialmente em pacientes com sistema imunológico comprometido. A vancomicina é um dos principais tratamentos e é administrada por injeção intravenosa. O motivo pelo qual o antibiótico não é administrado localmente é sua baixa capacidade de penetrar na pele. Também não é administrado por via oral devido à má absorção pelo intestino. O problema com a administração sistêmica é que geralmente resulta em efeitos colaterais significativos. Além disso, mesmo quando doses relativamente altas são administradas, a concentração local de vancomicina na pele permanece baixa, o que pode promover o desenvolvimento de cepas resistentes aos antibióticos. Assim, existe uma necessidade clínica de administração local de vancomicina na pele.

Microagulhas

“Abordamos isso usando adesivos de microagulhas que consistem em agulhas miniaturizadas feitas de um polímero carregado com a droga”, disse Jill Ziesmer, estudante de doutorado no Departamento de Microbiologia, Tumor e Biologia Celular do Instituto Karolinska e primeira autora do artigo. “Por meio de um design inovador de microagulhas, podemos controlar de forma eficiente as quantidades de medicamento administradas na pele.”

O adesivo é colocado na pele no local da infecção. As microagulhas quase invisíveis são tão pequenas que não alcançam os receptores de dor, o que torna o tratamento relativamente indolor. A capacidade das microagulhas de penetrar na pele foi estudada em tecido de pele de leitões e pele humana excisada. Os resultados mostram que a droga foi efetivamente administrada na pele e, o mais importante, reduziu significativamente a população bacteriana de MRSA.

Novo tratamento para infecções da pele

“Se este dispositivo de entrega de drogas chegar às clínicas, ele tem a capacidade de transformar a forma como as infecções de pele causadas por bactérias potencialmente letais são tratadas, com melhorias drásticas na qualidade de vida dos pacientes”, disse o Dr. Georgios Sotiriou, pesquisador principal do Departamento de Microbiologia, Tumor e Biologia Celular do Instituto Karolinska e coautor do estudo.

Os pesquisadores vão agora avaliar o desempenho das microagulhas em modelos animais de infecção de pele por MRSA. A próxima etapa é desenvolver ainda mais o produto para que ele exerça atividade antimicrobiana por meio de vários modos de ação, a fim de melhorar sua eficácia.

Tecnologia emergente

As microagulhas foram eleitas uma das 10 principais tecnologias emergentes pelo Fórum Econômico Mundial em 2020. Elas já estão em uso clínico para administrar vacinas e há muitos ensaios clínicos em andamento para outros usos, como tratamento de diabetes, câncer e dor neuropática.

“As microagulhas para administração de antibióticos só foram estudadas recentemente; no entanto, a aplicação bem-sucedida de microagulhas em outras áreas dá esperança de que as microagulhas com antibióticos possam abrir novas fronteiras no tratamento de infecções de pele”, concluiu o Dr. Georgios Sotiriou.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página do Instituto Karolinska (em inglês).

Fonte: Felicia Lindberg, Instituto Karolinska. Imagem: Jill Ziesmer, Instituto Karolinska.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Farma | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Ciências Farmacêuticas, Tecnologias e Saúde da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account