Notícia

Pessoas asmáticas expostas a ácaros podem estar mais suscetíveis a infecções respiratórias

Estudo amplia a compreensão de como a alergia e o sistema imunológico interagem no trato respiratório

cottonbro via Pexels

Fonte

Universidade Lund

Data

terça-feira, 21 junho 2022 11:15

Áreas

Alergias. Biologia. Biomedicina. Doenças Infecciosas. Doenças Pulmonares. Imunologia. Imunoterapia. Microbiologia.

Quando as vias respiratórias de pessoas com asma são expostas aos ácaros, sua resposta imune se torna menos eficaz. As pessoas que sofrem de asma associada à infecção podem, portanto, ser mais suscetíveis a infecções virais ou bacterianas secundárias. Segundo os pesquisadores, os resultados sugerem que os asmáticos devem evitar os ácaros da poeira doméstica e que os pacientes que também são alérgicos aos ácaros devem considerar a chamada hipossensibilização. O estudo foi publicado recentemente na revista científica Allergy.

Em um estudo anterior, a Dra. Lena Uller, professora de Imunofarmacologia Respiratória da Universidade Lund, na Suécia, e sua equipe de pesquisa mostraram que os ácaros da poeira doméstica, quando comparados a outros alérgenos comuns, dão origem a uma resposta inflamatória mais poderosa nas células do epitélio dos pulmões de asmáticos. Essas células do epitélio são uma barreira destinada a proteger os pulmões de micróbios e partículas nocivas que respiramos.

Os dados clínicos mostraram que os asmáticos com alergias são mais frequentemente prescritos com antibióticos, em comparação com asmáticos não alérgicos, de acordo com Samuel Cerps, primeiro autor do estudo, que apresentou recentemente sua tese de doutorado na Universidade Lund.

“Isto sugere que a alergia é um fator de risco para infecções bacterianas e que nos interessa estudar como a exposição aos ácaros da poeira doméstica afeta o sistema imunológico dos asmáticos”, disse Samuel Cerps.

Usando escovação brônquica, os pesquisadores coletaram e cultivaram células epiteliais de asmáticos, incluindo aqueles com e sem alergia a ácaros. As células foram então expostas a ácaros por 24 horas antes de serem expostas a um vírus. Por meio desse método, os pesquisadores puderam investigar como uma infecção viral afeta o sistema imunológico em termos de infecções virais e bacterianas.

“Os resultados mostraram que a alergia aos ácaros foi por si só um fator que diminuiu a proteção dos asmáticos contra os vírus, ou seja, as células epiteliais foram menos eficazes na produção de interferons antivirais. Também vimos que a exposição direta aos ácaros, independentemente do estado de alergia do paciente, reduziu a produção de proteínas antivirais e antibacterianas pelas células respiratórias quando contraíram infecções virais”, explicou Samuel Cerps.

A professora Lena Uller e Samuel Cerps acreditam que os resultados do estudo são significativos, pois ampliam a compreensão de como a alergia e o sistema imunológico interagem no trato respiratório.

“Isso demonstra que a alergia aos ácaros e o simples fato de o trato respiratório de um asmático ter sido exposto a ácaros resulta em proteção reduzida contra infecções. Assim, o estudo destaca a importância de ambientes livres de ácaros”, explicou a professora Lena Uller. “Os resultados do estudo sugerem que os asmáticos devem evitar os ácaros e que os pacientes que também são alérgicos aos ácaros podem se beneficiar da chamada hipossensibilização (imunoterapia) contra os ácaros, para aumentar sua tolerância a esse alérgeno. O tratamento pode levar a menos infecções e uma melhor qualidade de vida como resultado”, continuou a pesquisadora.

Em uma colaboração clínica, os pesquisadores agora estão investigando até que ponto a hipossensibilização de asmáticos em relação aos ácaros pode levar a melhorias nas defesas pulmonares do asmático contra bactérias e vírus.

” A compreensão de quais componentes dos ácaros inibem as defesas do corpo contra vírus e bactérias pode levar a novos medicamentos que bloqueiam precisamente esses componentes. É importante conectar esse objetivo às tentativas de reduzir a resistência aos antibióticos que existe na sociedade”, concluiu a Dra. Lena Uller.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Lund (em inglês).

Fonte: Universidade Lund. Imagem: cottonbro via Pexels.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 farma t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional nas áreas de Ciências Biológicas, Biomédicas e Farmacêuticas, Saúde e Tecnologias 

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account