Notícia

Candidata a vacina para a COVID-19 mostra-se promissora em primeira pesquisa revisada por pares

Pesquisadores usaram nova abordagem para administrar a droga, denominada matriz de microagulhas, que pode aumentar a potência da vacina

Reprodução, Universidade de Pittsburgh

Fonte

Universidade de Pittsburgh

Data

quarta-feira, 8 abril 2020 12:50

Áreas

Biomedicina. Farmacologia. Inovação Tecnológica. Saúde Pública. Vacinas.

Cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, anunciaram uma vacina potencial contra o SARS-CoV-2, o novo coronavírus que causa a pandemia de COVID-19. Quando testada em camundongos, a vacina, entregue através de um adesivo do tamanho da ponta do dedo, produz anticorpos específicos para o SARS-CoV-2 em quantidades consideradas suficientes para neutralizar o vírus.

O artigo científico foi publicado no último dia 2 de abril na revista científica eBioMedicine, publicada pela The Lancet, e é o primeiro estudo a ser publicado após análises de colegas cientistas de instituições externas que estudam uma vacina candidata ao COVID-19. Os pesquisadores foram capazes de agir rapidamente porque já haviam estabelecido as bases durante as epidemias anteriores de coronavírus.

“Tínhamos experiência anterior em SARS-CoV em 2003 e MERS-CoV em 2014. Esses dois vírus, que estão intimamente relacionados ao SARS-CoV-2, nos ensinam que uma proteína específica, chamada de proteína de pico, é importante para induzir a imunidade contra o vírus. Nós sabíamos exatamente onde combater esse novo vírus ”, disse o Dr. Andrea Gambotto, co-autora sênior e professor de cirurgia da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh. “É por isso que é importante financiar a pesquisa de vacinas. Você nunca sabe de onde virá a próxima pandemia”, destaca o pesquisador.

“Nossa capacidade de desenvolver rapidamente essa vacina foi resultado da pesquisa de cientistas com experiência em diversas áreas trabalhando em conjunto com um objetivo comum”, disse o Dr. Louis Falo, professor e diretor de Dermatologia da Escola de Medicina de Pittsburgh e coautor sênior do estudo.

Comparada à candidata a vacina experimental de mRNA que acabou de entrar em ensaios clínicos, a vacina descrita neste artigo – que os autores chamam de PittCoVacc, abreviação de Pittsburgh CoronaVirus Vaccine – segue uma abordagem mais estabelecida, usando pedaços de proteína viral fabricados em laboratório para criar a imunidade. É da mesma forma que as vacinas contra a gripe atuais funcionam.

Os pesquisadores também usaram uma nova abordagem para administrar a droga, denominada matriz de microagulhas, para aumentar a potência. Trata-se de um material do tamanho de uma ponta do dedo com 400 agulhas minúsculas que liberam os fragmentos de proteína na pele, onde a reação imunológica é mais forte. O adesivo continua como um curativo e, em seguida, as agulhas – feitas inteiramente de açúcar e pedaços de proteínas – simplesmente se dissolvem na pele.

“Nós desenvolvemos [essa tecnologia] originalmente para entregar a vacina contra a varíola à pele, mas como uma versão de alta tecnologia que é mais eficiente e reprodutível de paciente para paciente. E é realmente muito indolor – parece um tipo de velcro”, explicou o Dr. Louis Falo.

Os autores estão agora em processo de solicitação de aprovação de novo medicamento experimental (IND) na agência Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, antes de iniciar um ensaio clínico de fase I em humanos nos próximos meses.

“Testes em pacientes normalmente requerem pelo menos um ano ou mais. Essa situação em particular é diferente de tudo o que já vimos, então não sabemos quanto tempo levará o processo de desenvolvimento clínico. Revisões recentemente anunciadas nos processos normais sugerem que podemos avançar mais rapidamente ”, concluiu o pesquisador.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Pittsburgh (em inglês).

Fonte: Universidade de Pittsburgh. Imagem: Reprodução, Universidade de Pittsburgh.

 

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Farma | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Ciências Farmacêuticas, Tecnologias e Saúde da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account