Notícia

Substâncias presentes no veneno da Cascavel Amazônica podem servir para tratar doenças como o câncer

Serpente Amazônica ‘Crotalus durissus ruruima’ é uma das cinco subespécies de cascavel existentes no território brasileiro e, é encontrada no estado de Roraima, região norte do Brasil

Divulgação, FAPEAM

Fonte

FAPEAM | Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas

Data

quinta-feira, 22 outubro 2020 09:00

Áreas

Bioquímica. Biotecnologia. Desenvolvimento de Fármacos. Farmacologia. Oncologia.

Um estudo científico publicado na revista Scientia Amazonia relata que toxinas presentes no veneno da cascavel Amazônica, variedade “amarela”, são capazes de matar bactérias e linhagens de células cancerígenas de tumores de pele, mama e colorretal.

Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), os pesquisadores observaram que as toxinas isoladas desse veneno ofídico podem, futuramente, originar matéria-prima para a produção de medicamentos antibacterianos e anticancerígenos.

O projeto “Potencial antibacteriano e citotóxico dos venenos variedades ‘amarela’ e ‘branca’ da Serpente Amazônica Crotalus durissus ruruima” foi desenvolvido na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Fundação Ezequiel Dias (FUNED) em Belo Horizonte (MG) e amparado pelo Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados para o Interior do Estado do Amazonas (RH-Interiorização–Fluxo Contínuo), Edital Nº 003/2014.

A Serpente Amazônica Crotalus durissus ruruima é uma das cinco subespécies de cascavel existentes no território brasileiro e, é encontrada no estado de Roraima, região norte do Brasil. O veneno do animal apresentou atividade antibacteriana contra a bactéria Gram-positiva Staphylococcus aureus e ação citotóxica contra linhagens de células tumorais.

Aplicação

De acordo com a pesquisadora do projeto, Dra. Ilia Santos, os venenos de serpentes brasileiras têm sido alvo de uma série de estudos que resultaram, por exemplo, no desenvolvimento de medicamentos como o Captopril (anti-hipertensivo) e o Batroxobin (anti-hemorrágico) derivados de uma substância isolada do veneno de jararaca.

“O Captopril foi o primeiro fármaco proveniente de veneno de serpente a chegar ao mercado farmacêutico. Trata-se de um potente inibidor da enzima conversora de angiotensina (ECA) utilizado para tratar hipertensão arterial”, disse a Dra. Ilia Santos.

Por isso, o estudo dos constituintes presentes nos venenos tem se mostrado importante para o desenvolvimento de protótipos de novas drogas para uso terapêutico.

Testes

A pesquisadora testou (in vitro) os efeitos das propriedades medicinais das toxinas isoladas da serpente sobre as células de melanoma, adecarcinoma de mama, carcinoma colorretal e fibroblasto humano e notou que a substância foi capaz de matar as células cancerígenas num período de 72 horas de tratamento.

As toxinas tiveram ação bactericida sobre as bactérias do gênero Staphylococcus aureus, causadores de infecções pulmonares, cutâneas entre outras. As estirpes do microrganismo, em contato com a substância, morreram no período de 24 horas. Por isso, o achado sugere que o composto possui um constituinte que pode atuar como antibiótico.

Diversos trabalhos foram realizados com os venenos ofídicos brutos ou com frações isoladas dos venenos das subespécies de C. durissus. Os experimentos demonstraram variedades de ações farmacológicas, com destaque para as atividades antifúngicas, antileishmanias, antiparasitária, antivirais, antibacterianas e antitumorais.

Importância

Atualmente, o uso de quimioterápicos é a opção predominante para a terapia do câncer. No entanto, um dos principais problemas é que os pacientes muitas vezes não respondem ou, eventualmente, desenvolvem resistência à medicação após o tratamento inicial.

Essa limitação levou ao aumento da busca por substâncias que auxiliem no tratamento e cura do câncer a partir de fontes naturais, como plantas e animais. A biodiversidade de venenos os torna fonte única, a partir da qual podem ser desenvolvidas novas terapias.

Com relação à ação do composto, sobre os gêneros de bactérias, a descoberta poderá ajudar a combater a crescente resistência desses microrganismos aos antibióticos, bem como suprir a carência de novos remédios. Por isso, o estudo dos constituintes dos venenos ofídicos pode contribuir para a descoberta de outros compostos para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento dessas enfermidades.

Acesse o artigo científico completo.

Acesse a notícia completa na página da FAPEAM.

Fonte: Helen de Melo, FAPEAM. Imagem: Divulgação, FAPEAM.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Canal Farma | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Ciências Farmacêuticas, Tecnologias e Saúde da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account