Notícia

Anvisa autoriza estudo clínico de vacina contra a COVID-19 conduzido pela Universidade de Oxford

Estudo clínico conduzido pela Universidade de Oxford e apoiado pela AstraZeneca consideram 2.000 voluntários a serem testados no país

Getty Images

Fonte

Universidade de Oxford

Data

quinta-feira, 4 junho 2020 11:15

Áreas

Doenças Infecciosas. Estudo Clínico. Farmacologia. Saúde Pública. Vacinas.

No dia 30 de abril, a Universidade de Oxford e a AstraZeneca anunciaram um acordo para o desenvolvimento e distribuição global da potencial vacina recombinante de adenovírus da Universidade, com o objetivo de prevenir a infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

Um ensaio clínico de Fase I / II da vacina de Oxford começou em abril no Reino Unido para avaliar a segurança e a resposta imune em mais de 1.000 voluntários saudáveis ​​com idades entre 18 e 55 anos em vários centros de testes no sul da Inglaterra. À medida que os testes da vacina passam para a Fase III, uma população maior está sendo inscrita, consistindo de 10.000 participantes no Reino Unido, com a AstraZeneca registrando 30.000 participantes nos EUA.

No último dia 2 de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a inclusão do Brasil no estudo clínico (controlado e randomizado de fase III) conduzido pela Universidade de Oxford e apoiado pela AstraZeneca, considerando 2.000 voluntários a serem testados no país.

O professor Dr. Andrew Pollard, pesquisador chefe do Teste de Vacinas da Universidade de Oxford, disse: “Estamos muito satisfeitos por trabalhar com a talentosa equipe de pesquisadores no Brasil no teste de vacinas para a COVID-19, à medida que pesquisadores e cientistas de todo o mundo colaboram neste desenvolvimento de urgência sem precedentes para combater a ameaça global à saúde humana que é o coronavírus”.

Embora a universidade esteja avançando rapidamente em sua resposta contínua para enfrentar os desafios da COVID-19, os pesquisadores estão trabalhando com a AstraZeneca para definir os próximos passos no fornecimento amplo da vacina para torná-la acessível em todo o mundo de maneira equitativa. O acordo inclui o compromisso de disponibilizar a vacina sem fins lucrativos durante a pandemia. Para isso, a Universidade de Oxford e a AstraZeneca estão colaborando com vários países e organizações multilaterais, incluindo organizações no Brasil, para atender às necessidades locais. O Brasil é uma prioridade para o estudo devido à curva ascendente do COVID-19.

Até o momento, a AstraZeneca celebrou acordos para pelo menos 400 milhões de doses e garantiu capacidade total de fabricação de 1 bilhão de doses da vacina de Oxford.

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Oxford (em inglês).

Acesse a notícia na página da Anvisa.

Fonte: Universidade de Oxford. Imagem: Getty Images.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Farma | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Ciências Farmacêuticas, Tecnologias e Saúde da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account