Notícia

O código genético do novo coronavírus brasileiro

Pesquisadoras da UFRJ decifram genoma de amostras do vírus que circula no país

Artur Moês, Coordcom/UFRJ

Fonte

UFRJ | Universidade Federal do Rio de Janeiro

Data

terça-feira, 4 agosto 2020 12:25

Áreas

Bioinformática. Doenças Infecciosas. Genoma. Saúde Pública.

Os primeiros casos comprovados de infecção pelo SARS-CoV-2 foram registrados no final de 2019. Hoje, menos de um ano depois, o coronavírus já sofreu diversas pequenas mutações por todo o mundo, podendo modificar a maneira como circula e, até mesmo, como atinge o corpo humano. Procurando conhecer as diferenças e similaridades de cada, um grupo de pesquisadoras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sequenciou o código genético de 17 amostras do vírus que, atualmente, circula no país.

A Dra. Rosane Silva, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), juntou-se à Dra. Clarissa Damaso, sua colega de unidade, e Dra. Luciana Costa, do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes (IMPG), além da Dra. Nádia Vaez, do Instituto de Biologia do Exército (IBEx), na tarefa de analisar uma série de amostras disponibilizadas na GISAID, plataforma que reúne dados genômicos globais.

As mutações até então obtidas do vírus forneceram padrões de distribuição pelo mundo, relatando a história de eventos migratórios, distintos e fundadores da pandemia.

A equipe realizou o sequenciamento genético de amostras e obteve o genoma viral completo de 17. Logo após, as pesquisadoras fizeram a detecção de variantes por meio da bioinformática e puderam compreender melhor de que maneira elas se distribuíam pelo território. “As sequências são mapeadas ao genoma de referência (Sequência de Wuhan) para a identificação de todas as variantes virais de forma qualitativa e quantitativa das regiões estruturais e não estruturais. As sequências são alinhadas ao genoma de referência do SARS-CoV-2”, explicou a pesquisadora do IBCCF.

O trabalho realizado pelo grupo descobriu que existe um tipo de vírus dominante no Brasil, o da linhagem B1-33, mas há também outras linhagens. Isso comprova que a pandemia chegou ao país vinda de diversas partes do mundo.

A iniciativa se junta a outras similares no mundo que buscam conhecer melhor o coronavírus para compreender de que maneira ele surgiu, se espalhou, se modificou e, principalmente, como combatê-lo. Segundo a professora, os modelos tridimensionais das proteínas de interesse do vírus, contendo as variações observadas pela equipe, irão contribuir para a busca de sua assinatura proteica, que pode culminar em uma vacina eficiente. A análise dessas mutações, que se tornam variantes genômicas – determinadas pelo sequenciamento dos genomas –, pode  ser usada para descartar ou confirmar efeitos clínicos e de disseminação da infecção por SARS-CoV-2.

“O conhecimento do tipo de vírus e de suas relações de parentescos pode nos ajudar a traçar um caminho natural de propagação. E essa informação pode ser útil na política de implementação dos testes diagnósticos, para distribuição de recursos e alocamento humano, impedindo que a propagação da COVID-19 seja maior. Além disso, as alterações, mesmo que pequenas, podem modificar a interação com os medicamentos utilizados no tratamento. Finalmente, o detalhamento minucioso do genoma do vírus circulante no Brasil pode ser valioso na escolha precisa do tipo de vacina a ser utilizado”, concluiu a pesquisadora.

Acesse a notícia completa na página da UFRJ.

Fonte: Carolina Correia, Conexão UFRJ. Imagem: Artur Moês, Coordcom/UFRJ.

Em suas publicações, o Canal Farma da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Farma tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que cadastrados no Canal Farma e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Farma, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Farma | Portal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Ciências Farmacêuticas, Tecnologias e Saúde da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account